A importância da rotina para o bebê….e para a mamãe

Olá pessoal tudo bem? Quando eu engravidei muito li e ouvi sobre a importância da rotina para o bebê, mas quando a Valentina nasceu percebi o quão importante é esse momento para nós mães e/ou cuidadores.

Creio que a primeira rotina que iniciamos com a Valentina foi sobre a alimentação, como tive dificuldade em amamentar (assunto para outro post) eu tirava o leite do meu seio com uma bomba elétrica e o dava na mamadeira para ela.

Primeiramente começamos com 30 ml e aumentando gradativamente. De acordo com a minha experiência quando a Valentina mamava tudo o que tinha vontade de uma única vez eu sabia que ela só iria mamar dentro de 3 horas. Alguns bebês são mais agitados e afobados na hora da amamentação por isso mesmo sugiro que este momento ocorra em um lugar calmo onde mamãe e bebê sintam a ligação entre eles naquele momento, vale também como dica colocar uma música relaxante para que o bebê se acalme e mame até se sentir saciado.

Após a rotina da alimentação estar estabelecida, iniciamos com a rotina do sono. Confesso a vocês que a Valentina é dorminhoca de pai e mãe…rs como ela nasceu prematura, por orientação do pediatra a acordávamos a cada 3 horas de madrugada para mamar pois ela precisava ganhar peso. Isso durou por todo o primeiro mês, após esse período não a acordávamos mais e ela passou a dormir das 22h às 5h30. A rotina que Valentina seguia e segue até hoje com 8 meses é: Uma hora antes do horário que pretendo que ela durma (hoje é as 21h) não ofereço mais estímulos a ela para que o processo de relaxamento se inicia, após esse momento dou um banho quente e relaxante com produtos próprios para estimular o sono. Mais relaxada e de banho tomado é hora da mamadeira noturna. Após essa rotina a coloco no berço com um paninho de boca ao lado, a chupeta e ela pega no sono sozinha.

Para auxiliar a introdução da rotina na vida da Valentina um livro me ajudou muito, além da rotina e si o livro me ajudou a entender aquele pequeno ser que estava sob meus cuidados. O nome do livro é Encantadora de bebês. Além de retratar tópicos importantes como a rotina (método easy), o livro mostra técnicas de como acordar o bebê, trocar fraldas, entre outras. Claro que cada realidade é única mas creio sim que seja uma leitura que vale a pena e a partir dela extrair o que é melhor para a sua realidade.

Por falar em realidade, acho que essa é a melhor dica que eu posso dar para vocês. Entendam a sua realidade! Não é porque deu errado com a sua amiga que dará errado para você, o mesmo vale para os casos que dão certo.

Entenda seu bebê, entenda as necessidades dele e entenda também a sua própria necessidade. Quando viramos mães tendemos a esquecer de nós mesmas. Com organização e empenho conseguimos extrair o máximo desse momento tão especial em nossas vidas.

PS: No início do texto utilizo os verbos na 3ª pessoa do plural, utilizo isso porque meu marido e pai da Valentina toma todas as decisões juntamente comigo. Tudo é conversado e ponderado até porque temos que “falar a mesma língua” pelo bem da nossa filha. E aqui em casa temos o seguinte lema: Pai não ajuda, pai faz. Temos esse ideal de vida porque a filha é nossa e ambos tem que estar cientes dos acontecimentos referente a família.

Espero que tenham gostado das dicas.

Beijos estalados e até a próxima.

10 profissões mais e menos estressantes

Olá pessoal tudo bem?

Escolher a profissão nem sempre é uma coisa fácil não é verdade? Algumas pessoas parecem que já nasceram com a profissão pré definida, porém a grande maioria precisa decidir uma profissão a seguir. Como eu já disse em outro post, quando gostamos do nosso trabalho nós o realizamos com prazer e aquela tarefa se torna agradável.

Vejamos aqui as 10 profissões mais e menos estressantes de acordo com uma pesquisa realizada pela Forbes no ano de 2016.

profissões

Profissões mais estressantes:

  1. Soldado militar alistado
    Pontuação no estudo: 200.000
  2. General militar
    Pontuação no estudo: 199.000
  3. Bombeiro
    Pontuação no estudo: 198.000
  4. Piloto de avião
    Pontuação no estudo: 197.000
  5. Cozinheiro chefe
    Pontuação no estudo: 196.000
  6. Coordenador de eventos
    Pontuação no estudo: 195.000
  7. Executivo de relações públicas
    Pontuação no estudo: 194.000
  8. Executivo corporativo sênior
    Pontuação no estudo: 193.000
  9. Repórter de jornal
    Pontuação no estudo: 192.000
  10. Agente policial
    Pontuação no estudo: 191.000

 

Profissões menos estressantes

  1. Fonoaudiólogo especializado em audiologia
    Pontuação no estudo: 1.000
  2. Hair stylist
    Pontuação no estudo: 2.000
  3. Joalheiro
    Pontuação no estudo: 3.000
  4. Professor universitário
    Pontuação no estudo: 4.000
  5. Técnico de laboratório médico
    Pontuação no estudo: 5.000
  6. Costureiro
    Pontuação no estudo: 6.000
  7. Nutricionista
    Pontuação no estudo: 7.000
  8. Técnico em registros médicos
    Pontuação no estudo: 8.000
  9. Bibliotecário
    Pontuação no estudo: 9.000
  10. Artista multimídia
    Pontuação no estudo: 10.000

 

Quero somente deixar claro que esta lista pode variar de acordo o local onde ela é realizada. Então gente vamos pensar com muito carinho na nossa profissão para que possamos realiza-la com satisfação e empenho e lembrem-se que o importante é ser feliz na profissão escolhida.

Beijinhos estalados e até a próxima

Dicas para pele oleosa

Olá pessoas lindas tudo bem? Hoje vou dar algumas dicas que para mim são extremamente úteis.

Minha pele sempre foi oleosa mas durante a gravidez ela abusou desse direito…rs e como durante a gravidez o uso de cosméticos fica meio restrito então minha vida complicou ainda mais.

Foi ai que descobri alguns produtinhos para oleosa que são verdadeiro milagres e que minha ginecologista liberou o uso durante a gravidez e depois durante a amamentação (sempre consulte seu médico antes de usar qualquer produto cosmético durante a gravidez).

Sei que estão me perguntando se esses produtos só funcionam durante a gravidez então já lhes respondo que não, após o nascimento da Valentina continuei usando e estou totalmente apaixonada por esses produtos. Quando eu testar outros produtos vou fazendo uma resenha para vocês.

Então vamos lá a apresentação dos produtos:

Sabonete:

clean-e-clear-sabonete-facial-sabonete-anti-acne3041

Quem tem pele oleosa sabe o quanto é essencial que se use um sabonete próprio para seu tipo de pele. Esse sabonete deixou minha pele macia e hidratada, seu aroma é suave e agradável.  Ele controla a oleosidade de maneira bem satisfatória.

 

Protetor solar:

protetor solar

Esse amiguinho é um grande salvador. Durante a gravidez é muito comum o aparecimento de melasma (manchas escuras na pele) então o uso de protetor é indispensável até em dias nublados. Foi então que fui apresentada a esse protetor solar, como pouco produto você já sente o efeito dele. Ele é de fácil aplicação e logo após passar o produto você já sente um leve ressecamento que logo passa. O cheiro dele é bem característico de protetor solar, porém é mais suave e não interfere na aplicação dos demais produtos de maquiagem.

Base

bb cream

Essa base retém a oleosidade, a cobertura dela é leve mas ajuda bastante a cobrir imprefeições. Eu a uso bastante para ir trabalhar ou quando quero apenas dar um tapa no visual…rs

 

Primer

Print

O primer da Archy foi um dos melhores que já experimentei até hoje, ele deixa a pele com um aspecto sequinho e bem aveludado. A maquiagem se fixa super bem nele dando uma ótima segurada na oleosidade. Vale a pena conferir.

Bom pessoal por enquanto é só, conforme eu for testando novos produtos vou fazendo a resenha vocês.

 

Beijos estalados e até a próxima

O choro do bebê dos 0 aos 6 meses

Olá pessoas lindas tudo bem?

Hoje vamos falar um pouquinho sobre um tema que tanto aflige as pessoas em torno do bebê, o choro.

Vou descrever hoje um relato pessoal e as dicas que o pediatra da Valentina me disse que foram bastante funcionais para mim. Sei que cada realidade é única mas acredito também que toda ajuda e toda forma de conhecimento é muito bem vinda, então vamos lá.

Os 6 motivos do choro do bebê dos 0 aos 6 meses.

  1. Estou com fome

Esse é sempre o primeiro motivo que a maioria das pessoas pensa ser o motivo do choro do bebê, e por vezes é. O bebê não possui uma comunicação formal e sendo assim ele se utiliza do choro como principal forma de se expressar com o mundo externo. Quanto menor o bebê mais vezes ele vai chorar de fome tendo em vista o tamanho do seu estomago. Com o passar do tempo o bebê e a mamãe vão se ajustando e ambos passar a ter uma rotina alimentar facilitando assim a identificação do choro de fome.

  1. Estou incomodado

Nesse quesito vários itens podem ser englobados porém os básicos são fralda suja e/ou apertada, roupa apertada, etiqueta incomodando entre outros do gênero.

O xixi ou o coco podem causar irritação na pele do bebê e por esse motivo o bebê pode se sentir incomodado e chorar para ser trocado. Nos outros itens se até nós adultos nos sentimos mal, imaginem um bebê que está aprendendo várias informações e juntamente a isso sente aquela sensação ruim da qual além de não saber se expressar não consegue se desvencilhar.

  1. Estou com sono

Ao contrário do que muitas pessoas pensam o bebê não “luta contra” o sono, eles lutam para dormir. Nessa fase o bebê não sabe relaxar sozinho, sendo assim ele necessita de ajuda por parte dos seus cuidadores. Na hora de dormir o bebê gosta e precisa de uma rotina estruturada somado a um ambiente propicio para esse momento para isso cada pessoa utiliza uma técnica de relaxamento para induzir o sono do bebê (falaremos disso em outro post).

  1. Estou com frio/calor

Os mais antigos acreditavam que os recém nascidos deviam ficar extremamente coberto a ponto de mal conseguirem se mexer. Hoje em dia sabe-se que assim como os adultos os bebês sentem tanto frio quanto calor. Segundo o pediatra da Valentina, o nível ideal de roupa para o bebê é sempre uma peça a mais de roupa que nós. E em caso de dúvida verifiquem a barriguinha do bebê, caso ela esteja muito quente ou muito fria é hora de rever a quantidade de roupas.

  1. Preciso de mais ou menos estimulo

Os bebês assim como nós também ficam entediados sendo assim os mesmos precisam de estímulo até mesmo para o seu desenvolvimento, porém como tudo na vida o que é demais enjoa. O bebê precisa sim do estímulo contudo ele se cansa rápido de cada atividade, por esse motivo o excesso de estímulo também é prejudicial ao bebê. Assim que acabar a seção de estimulação é necessário que haja uma seção de relaxamento para que o bebê se tranquilize, descanse para posteriormente iniciar uma nova rotina de atividades.

  1. Estou com dor

Esse é o choro mais percebido por parte dos cuidadores do bebê, esse é um choro mais estridente e mais desesperado. Nesse caso é de extrema importância que se procure ajuda do pediatra do bebê. A auto medicação é sempre perigosa mas no caso dos bebês além do seu organismo ser mais frágil não sabemos a quais medicamentos eles são alérgicos e a dosagem a ser aplicada.

Agora vocês devem estar se perguntando e nos casos do choro sem motivo aparente, aquele que ocorre depois de verificados todos os motivos acima descritos. Realmente temos bebês com temperamentos mais irritados, nesses casos o cuidador pode utilizar diferentes técnicas de relaxamento com o bebê tais como massagem relaxante, música entre outros.

 

Beijinhos estalados e até a próxima

Reflexão profissional

Você já refletiu sobre sua vida profissional nos últimos dias, semanas ou até mesmo meses? Já parou para pensar se além de te fazer feliz você está desempenhando um bom trabalho?

Essas questões parecem bobas mas são fundamentais para nosso desenvolvimento profissional.

A primeira questão se faz necessária pois muitas vezes nos ligamos no piloto automático sem pensar no que estamos fazendo e a importância dessas ações para nossa vida. Ser feliz no ambiente profissional por vezes parece uma utopia porém para muitas pessoas essa é uma realidade e para que isso aconteça é preciso que nos conheçamos e saibamos quais nossos sonhos e aspirações. O filme Duas vidas retrata parte do que estou falando, tendo em vista que se trata da reflexão da vida sob a ótica do personagem principal quando criança.

Agora observe se aquele seu sonho profissional de criança se concretizou, se foi dada continuidade aquela fantasia profissional adolescente. Creio que grande parte das pessoas em algum momento idealizou uma vida profissional confortável, realizando uma atividade que lhe de prazer.  Caso você esteja no grupo que não realizou seus sonhos profissionais, já se perguntou o que aconteceu? Qual ou quais motivos te levaram a não realização desse sonho? Caso você esteja no grupo que realizou seus sonhos profissionais, como você se sente? Continuou sonhando e realizando ou parou por ai?

Olhemos a vida com os olhos de uma criança, para estes indivíduos é tudo tão fácil e prático. Onde fica complicado? Onde paramos de sonhar?

Creio que um dos problemas da sociedade moderna seja justamente esse, a falta de sonhos. Ou pelo menos a falta de continuidade desses sonhos.

Sei que muitos vão me falar que a vida não está fácil e que temos que aceitar o que aparece. Concordo em partes com essa afirmação tendo em vista que vejo muita oportunidade sendo desperdiçada por parte das pessoas.

Primeiramente precisamos fazer um planejamento do que queremos para pensarmos em qual é a melhor maneira de chegar lá. Com o planejamento em mãos podemos analisar como e quando atingiremos tais objetivos. Em diversos momentos da vida temos que deixar nossos sonhos guardados mas isso não significa que eles devam ser abandonados.

Quando já atuamos em nosso sonho profissional também precisamos refletir sobre ele, necessitamos pensar se o estamos desempenhando de forma a melhorar sempre ou se estamos fazendo o trivial.

A reciclagem profissional é uma excelente oportunidade de mudarmos, melhorarmos, nos aprimorarmos enfim o momento de fazer a diferença, o momento de fazer o que nos faz feliz e não apenas o que aparece.

Sejamos donos das nossas vidas, lutemos por nossos sonhos sejam eles quais forem.

Lembrem-se: você é dono do seu sonho e do seu tempo, use-os ao seu favor.

 

Beijinhos estalados e até a próxima

O preço do precinho

Olá pessoal, hoje vamos falar um pouquinho sobre o famoso precinho. Vejo muito nas redes sociais, em páginas de vendas e trocas, as pessoas fazendo encomendas e sempre pedindo “precinho”. Claro que sei que estamos passando por uma fase difícil da economia, mas mesmo assim precisamos pensar que a partir do momento que pedimos “precinho” estamos desvalorizando o trabalho do profissional que investiu seu tempo e conhecimento confeccionando determinado produto.

Por exemplo para confeccionar um bolo, além dos ingredientes de qualidade, energia e os utensílios necessários é imprescindível a técnica para a confecção do produto além da habilidade da confeitaria que pelo menos ao meu ver isso é um dom…rs quando uma pessoa pede precinho além de desvalorizar o conhecimento desse profissional submete-se também a utilização de produtos de qualidade inferior, pois tem que se ter me mente que a pessoa necessita de um lucro sobre sua venda já que muitas vezes é sua principal fonte de renda.

Quando se dá um preço a determinado produto várias coisas são levadas em conta tais como: investimento financeiro e de conhecimento, tempo gasto na realização da tarefa, utensílios necessários dentre outras variáveis de acordo com o produto ou serviço adquirido. Sendo assim para que essa equação se feche e ainda se obtenha um lucro é importante que todos esses itens sejam colocados na balança e a partir do momento que se pede o “precinho” algum item dessa equação ficará falho.

Indo um pouquinho mais longe com relação a preço, mas importantíssimo de se salientar temos alguns produtos chineses, paraguaios e de outras nacionalidades com preços absurdamente baixos. Alguém já parou para pensar o motivo de preços tão tentadores?  Você deve estar pensando que a culpa são dos impostos brasileiros, certo? Bom em partes essa afirmação é correta, porém, além disso, temos que levar em conta as condições de trabalho desses profissionais. Por diversas vezes é mostrado na televisão sobre a escravidão (mesmo que velada) não só na China, mas como em diversos países incluindo o Brasil. Essas condições de trabalho sub-humanas faz com que esses funcionários muitas vezes tenham salários (quando tem) baixíssimos mantendo assim o lucro do patrão e o “precinho” pedido por tantas pessoas.

Muito se fala em como é caro manter um funcionário aqui no Brasil devido aos impostos sobre este profissional, mas já pararam para pensar o que seria de nós sem esses direitos garantidos pela CLT? Já se deram conta que existem países, como os Estados Unidos e a Índia, que não existe número mínimo de dias para férias do trabalhador e na China são 5 dias de férias por ano?

Quero deixar bem claro que concordo sim que existem profissionais querendo lucrar uma quantia exorbitante em cima de seus produtos e serviços principalmente quando seu produto é sazonal ou escasso e concordo também que os impostos cobrados no Brasil são ridículos de tão altos, porém com esse post somente quis abrir um pouco a mente de vocês para a discussão sobre a valorização profissional e formação de preço.

E lembrem-se quando você pede precinho para alguém, outra pessoa pode pedir precinho para você também.

E aí quem está com disposição a pagar essa conta?

 

Beijinhos estalados e até a próxima

 

Vida profissional no pós parto

 

Acredito que a última coisa que as mães estão pensando no pós-parto é sobre a vida profissional, mas porque não pensar nisso?

Antes que eu seja bombardeada de criticas peço que, por favor, pensem no assunto só um pouco.

O pós-parto é uma fase de adaptação mamãe-bebê, mamãe-mamãe e mamãe- companheiro (a) é um turbilhão de acontecimentos, sentimentos, aprendizados que às vezes ficamos até tontas não é mesmo? Acredito que um sentimento que está sempre presente na vida da recém-mamãe é a culpa, queremos fazer mil coisas ao mesmo tempo, queremos ser perfeitas em tudo, mas sabemos que isso não é possível.

Em primeiro lugar devemos aceitar que não somos perfeitas, mas que somos as melhores mães para nossos bebês, em segundo devemos pensar que ao realizar alguma coisa para nós mesmas enquanto mulheres e profissionais não seremos menos mães por causa disso. Alias permitam-me abrir um espaço para essa patrulha das mães perfeitas do facebook que só servem para nos colocar para baixo, mas isso será tratado em outro post.

Durante o período da nossa licença temos dias maravilhosos outros nem tanto, o importante é que façamos o melhor que pudermos e sim nossos bebês sabem o quanto nos esforçamos por eles.

Vou dar um depoimento aqui de acordo com a minha realidade, cada pessoa tem a sua e isso não cabe a mim nem a ninguém julgar.

Lembram que eu falei no post Terrorismo contra as grávidas que as pessoas me falavam que depois do nascimento da Valentina eu nunca mais ia dormir? Então isso não aconteceu…rs a Valentina dorme a noite inteira desde 1 mês e meio, sei que sou uma mãe privilegiada mas como falei estou dando depoimento sobre a minha realidade. Pois bem, a Valentina é uma bebê bastante dorminhoca e passado o primeiro mês (adaptação total) eu pensava que eu podia fazer alguma coisa por mim no período em que ela estivesse dormindo, mas ao mesmo tempo eu me culpava, como uma recém-mãe está pensando em si mesma e não no bebê ( voltemos aos tema culpa e patrulha das mães perfeitas do facebook)? Até que chegou o momento que pensei comigo mesma, quando estou me sentindo bem comigo mesma realizo melhor todas as tarefas então parei de dar atenção para a patrulha e fui ver a minha realidade e vontade. Então resolvi agir.

Primeiramente fui buscar na internet sites de cursos on line (veja o post sobre Atualização profissional – Cursos on line ) e iniciei meus estudos, comecei com 30 minutos diários. Enquanto a Valentina dormia no período da tarde e aproveitei para realizar os cursos. Pensar em 30 minutos diários parece pouco, mas eu acredito que quando se trata de estudo, o pouco é melhor do que nada. Então continuei com minha rotina de estudo e ao final do primeiro mês de estudo eu já estava com uma certificação. Isso me animou bastante e consegui aumentar minha carga horária para uma hora por dia. Para alguns parece pouco, mas para mim são 30 horas de estudos por mês, são 30 horas de atualização profissional que tenho, são 30 horas de conhecimentos adquiridos então fiquei muito satisfeita com esses primeiros resultados e pretendo continuar sempre que a Valentina me permitir…rso falar agora em especial para as mães que por diversos motivos não conseguem ter esse momento de estudo, por favor, não se sintam mal. Cada realidade é única e esse foi um depoimento pessoal e só quis alertar para as mães que possuem esse tempo que é possível sim se manter antenada com o mercado de trabalho sem que elas sejam menos mães como algumas pessoas gostam de falar.

 

Beijinhos estalados e até a próxima